Síndrome de Down

Crianças com Síndrome de Down são freqüentemente afetadas por alterações otorrinolaringológicas, portanto devem ser sempre avaliadas o mais precocemente possível por profissional de otorrinolaringologia pediátrica treinado para trabalhar com crianças sindrômicas.

Ouvidos

A incidência de dificuldade auditiva em pacientes com Down pode chegar a 80%. Em sua grande maioria (cerca de 70% das vezes) por acúmulo de secreção na orelha média (atrás do tímpano). Este acúmulo ocorre porque estes pacientes apresentam flacidez da musculatura da garganta, responsável pela ventilação dos ouvidos.

A avaliação audiológica nestas crianças deve ser realizada de 6 em 6 meses principalmente a impedanciometria (ASHA - Academia Americana de Audiologia).

É muito freqüente a necessidade de procedimento cirúrgico em ouvidos para colocação de tubos para normalizar a pressão dos ouvidos, os chamados tubinhos de ventilação ou dreninhos de ouvido.

Obstrução Respiratória

A obstrução respiratória ocorre por duas razões principais: obstrução nasal e bloqueio da passagem do ar na orofaringe (garganta). A obstrução do nariz usualmente acontece porque há redução do crescimento do terço médio da face, fazendo com que o espaço nasal e atrás do nariz, onde fica a adenóide seja reduzido. Isto leva mais facilmente ao bloqueio da passagem de ar pelo nariz.

Ainda é possível a associação com quadros alérgicos nasais, que não são mais freqüentes que na população em geral. O bloqueio da passagem de ar pela boca ocorre por aumento de tonsilas palatinas (amígdalas) associado, usualemente, a flacidez da musculatura da garganta e aumento proporcional da língua em relação a cavidade oral, que geralmente é reduzida. Isto pode levar ao colabamento da via aérea com sinais de síndrome de apnéia obstrutiva do sono (parada rápida da respiração durante o sono) e sono muito agitado com roncos.

Linguagem

A linguagem pode sofrer atraso devido ao déficit mental característico da síndrome. Porém ele pode ser agravado se as condições de audição, respiração e articulação vocal não estiverem adequadas.
Portanto, tudo que foi descrito nos itens acima tem relação com o desenvolvimento de linguagem da criança com Down. Estas crianças devem ser acompanhadas por fonoterapeuta para melhor desenvolvimento desde o início de sua fonação.