Garganta - Halitose

I. Estabelecer uma relação de confiança entre profissional-paciente.

II. Auxiliar a restabelecer a auto-confiança do paciente.

III. Eliminar os fatores etiológicos formadores de odorivetores ofensivos ao olfato humano.


Necessidades do tratamento

1. Restabelecer a higiene local.
2. Restabelecer a saúde odontológica.
3. Restabelecer os padrões salivares.
4. Adequar hábitos sociais e alimentares.
5. Encaminhar ao especialista da área médica.

Presença de Corpos Estranhos

setinha Presença de corpos estranhos nas fossas nasais: botão, fragmento de brinquedo, tampa de caneta, moeda.

Refluxo gastroesofágico

setinha O refluxo gastroesofágico (RGE) é definido como a passagem retrógrada e involuntária do conteúdo duodeno gástrico para o esôfago, sendo problema clínico freqüente na infância.

setinha A composição do material refluído e a sua estagnação no dorso posterior da língua são importantes fatores na presença da halitose.

Casos mais graves:

  • Lesões na mucosa esofágica.
  • Sangue oculto nas fezes.
  • Anemia ferropriva.
  • Pirose, dor e queimação epigástricas.
  • Dor retroesternal.
  • Disfagia, dor torácica (tipo angina).
  • Dor abdominal recorrente.

Principais sinais e sintomas:

setinha Distúrbios do sono(sobressaltos noturnos).

setinha Irritabilidade, inquietação e recusa alimentar.

setinha Tosse seca frequente.

setinha Rouquidão.

setinha Vômitos, náuseas e eructações.

Verminoses

setinha Pancreatite crônica – deficiência na produção de enzimas pancreáticas, essenciais ao processo digestivo.

setinha Inapetência – queima da reserva lipídica.

setinha Náuseas – reflexo salivar oriundo da parte gástrica – saliva mais alcalina.

setinha Constipação ou liberação intestinal.

Principais queixas relacionadas:

  • Flatulências.
  • Fezes extremamente mal-cheirosas.

Constipação Intestinal

setinha Estabelecer hábitos intestinais regulares.

setinha Aumentar a ingestão de água.

setinha Dieta anticonstipante.

Principais alimentos: Leite de vaca, ovo, soja, trigo, peixe, crustáceos, chocolate e amendoim.
 
Produção excessiva de muco (semelhante ao quadro de rinite alérgica)
 
Saliva mucinogênica.

Deficiência de Dissacaridase (lactase)

Deficiência congênita é rara, mas a forma adquirida é comum.

Quando herdada, como uma deficiência enzimática, a má absorção evidencia-se logo após a ingestão de leite.

A forma adquirida, possui relação com infecções entéricas virais e bacterianas ou distúrbios intestinais – consumo excessivo de derivados do leite.

Lentidão metabólica.

Estagnação e putrefação alimentar.

A fermentação bacteriana dos açúcares não absorvidos aumenta a produção de hidrogênio, que é prontamente medido no ar exalado.

A degradação incompleta da lactose acarreta diarréia osmótica.

Doença celíaca

Sensibilidade ao glúten (trigo, aveia, cevada, centeio).

1 em cada 300 indivíduos é atingido.

Caracterizada por lesão típica da mucosa do intestino delgado e diminuição da absorção de nutrientes.

Modificação da microbiota, mais fermentativa.

Produção de gases – flatulências ou corrente sanguínea.

halitose11

 

Higiene bucal deficiente

Estudos sugerem que, assim como nos adultos, a maioria das causas do mau hálito em crianças encontra se na boca, em cerca de 90% dos casos.

Pesquisas realizadas em indivíduos com idades entre 05 e 14 anos, o odor bucal foi significativamente associado ao índice de placa.

Múltiplas cáries

Gengivite(sangramento gengival)

Placa no dorso posteriorda língua (saburra lingual)

Uso de aparelhos ortodônticos

  • Dificuldades na higienização
  • Nichos com capacidade de retenção alimentar – superfícies rugosas / acrílicos
  • Aumento na descamação celular
  • Modificação alimentar
Saburra lingual 

A saburra é resultado do acúmulo de células epiteliais descamadas + bactérias + resíduos alimentares + fungos + leucócitos + mucina salivar sob o dorso da língua.

Matéria orgânica estagnada

Fermentação - gases de odor desagradável (ricos em enxofre)

Limpadores de língua.

Amigdalites recorrentes 

Cáseo

  • Resultado do acúmulo de células mortas, e outros componentes sequestrados da alimentação.
  • A amígdala é um tecido irregular e contém pequenos espaços ou invaginações, denominadas CRIPTAS.
  • Além do mau hálito, produz uma irritação na amígdala e pode facilitar infecções recorrentes.
  • As propriedades salivares estão diretamente relacionadas com o grau de formação dos cáseos.

Respiradores Bucais

  • Há ressecamento bucal em decorrência da maior evaporação salivar e menor retenção de saliva residual.
  • Maior descamação epitelial, que pode gerar quadros de gengivites.
  • O ar que deveria passar filtrado pelo nariz, passa pela boca, podendo uma pequena parte ser deglutida – provocando pressão esfíncter cárdia.


Rinites / Sinusites

Correlação entre a halitose e as alterações das vias aéreas superiores é evidente.

O gotejamento nasal posterior desempenha um papel importante na manifestação do mau hálito.

A Sinusite Crônica e a Rinite Perene são as principais causas, com origem nas vias aéreas superiores.

Presença de material protéico estagnado em abundância.

Evitar contato com superfícies, objetos ou substâncias conhecidamente alergênicos.